VACINA CONTRA O HPV

hpv-vaccine-image

O HPV (papiloma vírus humano) é o vírus causador da DST conhecida como verrugas genitais. Sua transmissão se dá pela via sexual e sua maior importância se deve ao fato deste vírus causar câncer no colo de útero, na vagina, ânus, pênis e orofaringe. Estima-se que cerca de 50% dos indivíduos, homens ou mulheres, terá contato com algum tipo de HPV após 2 anos de vida sexual ativa.

Depois de 12 anos de pesquisas para criação de uma vacina contra o HPV, a partir de 2006 a vacinação nas mulheres começou a ser realizada em mais de 60 países. Essas vacinas não contém o vírus, nem o seu DNA, e são denominadas “vírus-like particles”, pois foram obtidas por engenharia genética a partir de uma das proteínas da cápsula viral.

Existem atualmente duas vacinas contra o vírus do HPV:

QUADRIVALENTE  →   Contra os tipos de HPV 6, 11, 16 e 18
BIVALENTE  →   Contra os tipos de HPV 16 e 18

No Brasil, as Unidades Básicas de Saúde oferecem a vacina contra o HPV, que já é oferecida na rede privada há alguns anos.

Quem deve receber a vacina contra o HPV?

Enquanto a vacina quadrivalente é recomendada para meninos e meninas entre 9 e 26 anos de idade, a bivalente é recomendada para meninas e mulheres a partir dos 10 anos de idade. Todos os indivíduos nesta faixa etária deveriam receber a vacina. A importância da vacinação precoce é porque a resposta imunológica à vacina é melhor quando aplicada até os 15 anos de idade, o que não contra indica a sua aplicação para os demais.

Porque os meninos devem se vacinar contra o HPV?

Os meninos devem receber a vacina para sua proteção contra os cânceres de pênis, ânus e garganta e contra as verrugas genitais. Além disso, por serem os responsáveis pela transmissão do vírus para suas parceiras, ao receberem a vacina estão colaborando com a redução da incidência do câncer de colo de útero nas mulheres. Os homens também foram incluídos na recomendação de vacinação após a constatação de que a cobertura de vacinas nas meninas chegava a apenas 40%.

Quem já começou a vida sexual também tomar a vacina?

A vacina pode e deve ser recebida por todos, mesmo aqueles que já iniciaram a vida sexual ativa. Recomenda-se a vacinação antes para uma prevenção mais eficaz, mas não existe nenhuma contraindicação para quem já é sexualmente ativo.

E quem já teve HPV, pode tomar a vacina?

Sim, a vacina pode e deve ser recebida mesmo por aqueles que já tiveram infecção pelo HPV. Ela não será útil para o tipo já adquirido, mas fará a proteção contra os demais.

Vacinar crianças pode estimular o início da vida sexual precoce?

Não. Vacinar os jovens contra doenças infectocontagiosas é um dever dos pais e não tem influência na decisão de ter ou não atividade sexual. Além do mais, a vacinação contra o HPV não vai dispensar o uso de preservativos, importante para a prevenção da gravidez e de outras DSTs, como sífilis, gonorréia, HIV etc.

Como é o esquema da vacinação contra o HPV?

O esquema tradicional, utilizado há anos e com excelentes resultados é:

# Aplica-se a 1ª dose

# 2 meses depois da 1ª dose aplica a segunda dose

# 6 meses depois da 1ª dose aplica a terceira dose

O Ministério da Saúde aprovou a vacinação em um esquema diferente, aparentemente eficaz, mas ainda em fase de estudo: 0, 6 e 60 meses. As clínicas particulares seguem a orientação de 0, 2 e 6 meses.

Se já se tiver iniciado a vacinação na rede privada, pode completá-la na rede pública?

Sim, se as doses aplicadas foram da vacina quadrivalente, o esquema vacinal poderá ser finalizado na rede pública. Para as famílias que optarem pelo esquema tradicional de 0, 2, 6 meses, também será aceito que se faça a primeira e última doses no posto de saúde e a segunda dose em clínicas particulares.

Recomendações finais:

1.    A vacina quadrivalente contra o HPV deve ser utilizada em todos os meninos e homens entre os 9 e 26 anos, conforme preconizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

2.    Não há necessidade de se realizar exame prévio para detecção do HPV antes da vacinação nos homens que eventualmente já iniciaram a sua vida sexual.

3.    A remoção das lesões HPV-induzidas pode diminuir a carga viral e o risco de transmissão.

4.    A associação simultânea com mais de um agente sexualmente transmissível é ocorrência frequente na prática clínica. Além disso, a pesquisa de HIV deve fazer parte da avaliação de um indivíduo acometido por qualquer DST.

5.    A circuncisão (retirada do excesso de prepúcio) é valiosa para a redução do espectro de todas as DSTs.

Etiquetas:, , , , , , , , ,

Autor

Dr. Alexandre Dr. Aranha

Dr. Alexandre Aranha Trigueiro é médico formado pela UFPB em 1997, com pós-graduação em cirurgia geral e urologia, mais de 10 anos consecutivos de experiência e milhares de cirurgias abertas, endoscópicas e laparoscópicas realizadas...

Curriculo

Perguntas e respostas

Fechar

Sua Pergunta foi enviada!

Preencha o formulário a seguir.

Nome *
E-mail *
Site (include http://)
Título *
Pergunte *

Quando o Doutor responder, sua pergunta APARECERÁ PÚBLICA na página de perguntas e respostas.

* Campo requerido