Conheça a Urologia

O QUE O UROLOGISTA FAZ?

A UROLOGIA é uma especialidade da medicina de atuação clínica e cirúrgica que diagnostica, trata e previne doenças que envolvem os órgãos do aparelho urinário masculino e feminino e também dos órgãos do aparelho reprodutivo e sexual dos homens.

Por isso, não é uma especialidade que trata apenas dos homens, porque o aparelho urinário é igual nos homens e mulheres. O aparelho urinário é responsável pela produção, transporte, armazenamento e eliminação da urina, e é composto pelos rins, bexiga e uretra (canal por onde a urina sai do corpo humano para o meio externo). A diferença entre os homens e as mulheres reside no fato de que a uretra da mulher tem apenas 2 cm de comprimento, ao contrário da uretra do homem, cuja extensão é bem maior por passar por dentro do pênis.

O órgãos dos aparelhos reprodutivo e sexual masculino englobam o pênis, os testículos, a próstata e as vesículas seminais. O urologista não trata dos aparelhos reprodutivo e sexual das mulheres porque quem faz isso são os(as) ginecologistas.

Atuação clínica e cirúrgica significa que o urologista, além de tratar daquelas doenças que necessitam de medicamentos, também opera os casos em que o tratamento envolve cirurgia. As cirurgias mais freqüentes que o urologista executa são as mais variadas, indo desde as mais simples como a cauterização de verrugas penianas, fimose e vasectomia até cirurgias mais complexas como os transplantes de rim e cirurgias de câncer da próstata.

DOENÇAS COMUNS

A relação de doenças mais comuns também é grande. As mais conhecidas são as pedras urinárias (também conhecidas tecnicamente como cálculos ou litíase urinária) e as doenças da próstata (tanto o crescimento benigno quanto o câncer)

Mas a lista é muito maior. Tumores de rim, de testículos, da bexiga e do pênis formam o grupo da ONCOLOGIA UROLÓGICA. Quanto aos problemas ligados à atividade sexual, os mais freqüentes são a impotência, a perda do interesse pelo sexo e a ejaculação precoce, os quais estão na área da ANDROLOGIA. O urologista também investiga e trata os homens que estão com dificuldade para engravidar suas parceiras. Nesta área, a causa mais freqüente é a varicocele (varizes nas veias dos testículos). Já os homens que não desejam ter mais filhos, procuram o urologista para fazer a cirurgia de vasectomia. O urologista também orienta e acompanha aqueles pacientes com lesão no Sistema Nervoso Central, principalmente os paraplégicos, os quais apresentam a chamada bexiga neurogênica. É a URONEUROLOGIA. Crianças também podem fazer seus tratamentos de fimose, hidrocele, hérnia, criptorquidia, cálculos renais e outras doenças com o urologista, desde que o mesmo tenha experiência na área da UROPEDIATRIA. Mesmo nos hospitais de emergência, tem sido importante a presença do urologista para melhor tratar daqueles pacientes admitidos com traumatismos no aparelho urinário ou nos genitais externos. Na chamada ENDOUROLOGIA, o urologista faz uso de aparelhos endoscópicos para o tratamento do crescimento da próstata e de qualquer pedra nos rins, ureteres e bexiga, além de cirurgias videolaparoscópicas para tratar algumas doenças dos rins e da próstata. Um motivo muito freqüente de procura ao consultório de urologia são as Doenças Sexualmente Transmissíveis, principalmente aquelas que se manifestam no pênis, como as verrugas do HPV, vírus do herpes, micoses e gonorréias. Mulheres também procuram os urologistas quando estão com cálculos renais, infecções urinárias e problemas de incontinência urinária aos esforços (perda de urina sem querer quando tosse ou espirra ou durante qualquer outro esforço). Foi criada então a área da UROGINECOLOGIA.

Como podemos perceber a especialidade UROLOGIA  é uma área bastante extensa e complexa, exigindo do médico que deseja seguir carreira mais cinco anos de pós-graduação, além dos seis anos do curso de Medicina.

OS RINS E O AVANÇO TECNOLÓGICO DA UROLOGIA

Os rins são órgãos de grande importância no organismo humano e são responsáveis pela manutenção do equilíbrio orgânico através da filtração do sangue, ao retirar deste as impurezas que devem ser eliminadas dissolvidas na urina. Quando os rins estão debilitados, deixando de filtrar o sangue, pode ser necessário um transplante renal, que é mais uma das funções do urologista, e que é uma cirurgia delicada e um dos mais importantes tratamentos para o paciente com insuficiência renal.

A urologia foi a especialidade pioneira a utilizar a endoscopia ainda no século XIX. Tudo o que existe hoje se desenvolveu a partir dos equipamentos endoscópicos urológicos que, no início, serviam para tratar problemas na bexiga e próstata, sem cortes cirúrgicos. Já no início do século passado os urologistas não apenas “olhavam por dentro”, mas já operavam desta forma, sem cortar o paciente. Eram as cirurgias para tratar o crescimento da próstata o os problemas de bexiga (tumores e cálculos). O pioneirismo da especialidade não parou por aí.

A urologia foi uma das primeiras especialidades a utilizar as técnicas de laparoscopia na década de 70 e 80 na localização dos testículos abdominais. Foi pioneira no uso do LASER, com grande evolução de vários tipos de tratamento de tumores, pedras e problemas prostáticos. O refinamento da endoscopia fez progredir o uso do ultrasson como método de fragmentação de cálculos, assim como as ondas eletro-hidráulicas que compõem as famosas máquinas de quebrar pedras.

A urologia é atualmente uma das especialidades mais envolvidas com a cirurgia robótica e uso de células-tronco, estimuladores elétricos, sem contar com as próteses penianas, os transplantes renais e uma enorme lista de outros procedimentos avançados e de alta tecnologia utilizados na medicina moderna.

COMO SE TORNAR UROLOGISTA?

A formação de um UROLOGISTA envolve muito estudo. Além dos seis anos da Faculdade de Medicina, são mais cinco anos, no mínimo, de Residência Médica, sendo dois anos de Cirurgia Geral como pré-requisito e mais três anos de aprendizado exclusivamente na Urologia. Depois de tudo isso, o Urologista ainda presta algumas provas rigorosas para a obtenção do Título de Especialista. Este título de especialista é concedido pela Sociedade Brasileira de Urologia – SBU.

Os especialistas brasileiros elevam a Urologia nacional a um patamar de grande respeito na comunidade urológica mundial, sendo uma grande honra e uma grande responsabilidade. A SBU e cada um dos seus associados, por todo o Brasil, devem zelar pela excelência e seriedade da nossa especialidade junto à pessoa mais importante neste processo todo: o PACIENTE.

A SBU NÃO RECOMENDA

Em função da responsabilidade de oferecer aos brasileiros uma Urologia ao mesmo tempo moderna e ética, a Sociedade Brasileira de Urologia elaborou essa pequena cartilha. Alguns assuntos, principalmente aqueles relacionados com a sexualidade, podem virar alvo fácil de práticas e procedimentos não totalmente justificados ou embasados cientificamente. São tratamentos sem eficácia, que ainda não foram comprovados e/ou testados, havendo dúvidas quantos aos seus riscos e benefícios. Cuidado com as propagandas enganosas!

O caráter íntimo desses assuntos colabora para que os pacientes possam se tornar vítimas passivas e silenciosas dessas práticas inadequadas e que podem gerar danos irreversíveis.

O melhor remédio e a melhor prevenção contra esses fatos é o conhecimento.

Conhecer o que é comprovado, o que já foi testado e aprovado, seus riscos e benefícios, é o meio mais fácil de se evitar o engodo e a tapeação que, infelizmente, podem ocorrer.

Certos procedimentos, mesmo que sabidamente não aprovados e ainda em caráter experimental, são muitas vezes alardeados nas revistas, jornais, rádio, televisão e internet com finalidades puramente comerciais. Cumprindo seu papel e considerando o atual estado de conhecimento, a SBU lista abaixo os procedimentos com os quais NÃO CONCORDA E NÃO RECOMENDA:

  1. Cirurgias de aumento peniano, indicadas de forma indiscriminada;
  2. Anestésicos locais para controle da ejaculação precoce;
  3. Cirurgias para controle da ejaculação precoce. Ou seja, cirurgias do tipo para fimose com promessas de curar a ejaculação precoce;
  4. Tratamento com injeções dentro do pênis em pacientes jovens com o objetivo de tratar a ejaculação precoce;
  5. Injeções de produtos no pênis para aumentar o diâmetro e o tamanho do pênis;
  6. Curas, anúncios e tratamentos milagrosos para os problemas de impotência masculina

Na sua função educativa, a SBU ainda quer ajudar os pacientes e todo o público leigo a saber ler, ver ou ouvir uma notícia a respeito dos progressos que se fazem na Medicina.

Existe uma distância muito grande entre um conhecimento que às vezes é demonstrado em cobaias ou mesmo no laboratório ou com um número de pacientes voluntários e a sua efetiva colocação em prática.

O cidadão, mesmo o mais otimista possível, deve entender que o processo que vai da descoberta de um novo medicamento até o balcão da farmácia é um processo bastante longo, cercado de cuidados para testar a sua segurança e eficácia. Infelizmente, de cada 1.000 ou 10.000 substâncias promissoras, com potencial no tratamento de alguma doença, apenas 1 ou nenhuma consegue chegar ao estado final de comercialização com seu uso seguro. Raras vezes, ainda, são precisos vários e vários anos para se identificar algum risco que não se manifesta, antes que o uso de um medicamento X seja usado por milhões e milhões de pessoas, levando até a retirada do medicamento ou restringindo muito o seu uso.

Um outro ponto de interesse para o cidadão é que não existe nenhum medicamento, nenhum procedimento que não evolva riscos e benefícios. Seu urologista e a SBU investem muito em atualização na especialidade, principamente para discutir as experiências que vão se acumulando e demonstrando o que é melhor para os pacientes e mais eficaz para cada doença. Toda novidade médica é vista sempre com olhos críticos e reservas até que os trabalhos e testes se multipliquem e mostrem a eficácia e, principalmente, os riscos e efeitos colaterais. Nem sempre existe apenas um caminho, mas tenha certeza de que seu urologista conhece todos e pode discuti-los com você. Ao indicar um caminho, uma cirurgia ou um medicamento, muitas vezes é mais importante conhecer os riscos e efeitos colaterais do que simplesmente o que pode ser usado, mesmo de mais moderno naquela doença ou situação.

A SBU RECOMENDA

O assunto é vasto. Contudo, podemos listar alguns que podem ser úteis no seu dia-dia e no de seus familiares:

Na infância e na adolescência

O cuidado urológico começa no nascimento, pois nesta ocasião deve-se estar atento à formação dos genitais da criança e qualquer alteração poderá requerer a atuação do urologista. Os familiares podem verificar alguns problemas na criança e procurar um urologista em caso de dúvidas. Os principais problemas na criança são:

  1. Testículos fora do saco escrotal;
  2. Fimose;
  3. Aumento do saco escrotal (hérnia inguinal, água nos testículos ou tumores de testículos);
  4. Orifício de saída da urina fora da localização normal, que é na ponta do pênis;
  5. Tamanho do pênis da criança

Na adolescência, uma época de transformação do organismo masculino, é importante acompanhar essas transformações. É recomendável o adolescente aprender a fazer a palpação dos testículos e saber se algo estranho está acontecendo. Veias dilatadas e o testículo endurecido merecem uma avaliação do urologista. Nesta hora é importante o jovem aprender a fazer a higiene genital e se prevenir das Doenças Sexualmente Transmissíveis – DST. As DST andam lado a lado com a atividade sexual. Provavelmente elas só vão desaparecer se um dia acabarem as relações sexuais. É preciso uma orientação por parte dos pais do adolescente para enfatizá-lo da importância do uso do preservativo na prevenção da gravidez indesejada e das DST.

Há algumas doenças que podem ser tratadas na adolescência e evitar uma série de problemas futuros: desde uma simples fimose ou excesso de prepúcio que interfere negativamente no início das atividades sexuais do garoto, passando por uma varicocele que pode influenciar negativamente a fertilidade quando ele for adulto, e mesmo alguns tumores de testículos e atrofias testiculares.

Além disso, em uma simples consulta com um urologista, o jovem que inicia sua vida sexual pode ter a oportunidade de tirar dúvidas sobre outros assuntos, como a masturbação, potência sexual, ejaculação precoce e como o nível de ansiedade pode interferir nas suas relações. Um jovem mais esclarecido tem menos medo ou ansiedade, levando a uma melhora de sua auto-estima que será importante em seus relacionamentos pessoais e profissionais.

O Homem Adulto

Os homens adultos são a grande maioria no consultório dos urologistas. Não é incomum os homens terem alterações ou dúvidas na área urológica. Dúvidas sobre a qualidade erétil, tamanho do pênis, melhora do desempenho sexual e prevenção de doenças permeiam o universo masculino. Não sofra calado! A orientação do urologista poderá desfazer mitos e interrogações, inclusive evitando tratamentos e orientações amadoras que podem mais prejudicar do que ajudar.

A Próstata

A prevenção do câncer de próstata nos homens acima dos 45 anos de idade é recomendável. Em famílias onde existe a ocorrência do câncer da próstata, os homens devem começar essa avaliação anual aos 40 anos.

Descobrindo a doença na fase inicial, onde o câncer ainda está somente dentro da próstata, existe muito mais chance de melhores resultados ou mesmo a cura com o tratamento utilizado.

As cirurgias para a próstata não se aplicam apenas aos casos de câncer. Vide artigo.

Perguntas e respostas

Fechar

Sua Pergunta foi enviada!

Preencha o formulário a seguir.

Nome *
E-mail *
Site (include http://)
Título *
Pergunte *

Quando o Doutor responder, sua pergunta APARECERÁ PÚBLICA na página de perguntas e respostas.

* Campo requerido